Por que é fundamental o uso de galpões para o mercado e-commerce?

O cenário do mercado para e-commerce é muito promissor. O Relatório Webshoppers, divulgado pela Ebit em parceria com o Buscapé, indica que em 2020 o consumo online apresentou expansão, sendo que 36% dos brasileiros são considerados compradores digitais. Um dos poucos setores a andar na contramão da crise.

O consumo online que já é um mercado de mais de 50 bilhões de reais ao ano, e a previsão para o próximo ano é ainda melhor. Você sabe o que acompanhou esses resultados e também apresenta números de crescimento? Os galpões para e-commerce!

O uso de galpões tem sido alvo dos principais players do mercado de e-commerce devido aos grandes benefícios que eles proporcionam. Por isso, decidimos mostrar uma série de razões para investir em galpões para o mercado e-commerce. Continue a leitura e confira tudo o que precisa saber sobre o assunto!

Principais vantagens de um galpão para e-commerce

Além de agilizar os processos, a escolha de um galpão para armazenamento de inventário da loja virtual pode trazer uma grande variedade de vantagens que geram impactos positivos em cada etapa da logística, a ponto de até mesmo a satisfação dos clientes aumentar e, por consequência, a taxa de fidelização de consumidores.

Veja a seguir os principais benefícios do uso de galpões para e-commerce!

1. Rapidez na entrega

O maior benefício de alugar ou adquirir galpões para fazer o controle e a manutenção de estoques é a melhoria da sua velocidade de entrega de produtos. Esse é um ponto muito importante, que pode definir o seu sucesso ou fracasso como lojista online. Quanto mais rápida a sua capacidade de entrega, mais valor o consumidor dá ao seu negócio.

O fato é que aliar a rapidez na entrega à segurança e aos custos baixos das aquisições feitas na comércio digital é uma tendência que tem se tornado cada vez mais comum no mercado de e-commerce. Se você pretende se diferenciar dos concorrentes, vale a pena investir nessa ideia.

Isso explica o motivo pelo qual muitas empresas têm migrado para o ambiente digital e alugado galpões em áreas mais próximas de seus consumidores. A ideia é descentralizar a logística e otimizar os processos de distribuição.

Para que você tenha uma ideia, apenas em 2018 a Magazine Luiza investiu na ampliação de mais de 25% de seu espaço destinado ao armazenamento de mercadorias. Os dois novos centros de distribuição — Teresina (PI) e Hidrolândia (GO) — somam cerca de 400 mil metros quadrados de expansão e um raio de 30 km, sem mencionar as operações do Sul e no Sudeste.

2. Logística de distribuição

Um bom fornecedor não só vai dar ampla cobertura de distribuição como um plano de expansão para que você possa pensar no futuro do seu e-commerce. Ao fazer essa escolha, você deve pensar na infraestrutura do local de armazenagem e em como a sua capacidade pode permitir ou limitar a ampliação das suas vendas.

3. Localizações estratégicas

Quando se tem um e-commerce, para aumentar as chances de captar clientes é comum oferecer entregas para todo o país. Entretanto, não é barato enviar pequenos lotes para longas distâncias, e o custo do frete para o seu cliente é muito alto, o que pode gerar insatisfação e abandono.

Ao utilizar galpões em locais estratégicos você faz estoques inteligentes, minimiza custos de armazenamento, de entrega e, consequentemente, as perdas de clientes.

4. Redução de custos

O uso de galpões logísticos para armazenagem de estoque e distribuição, se bem-feito reduz os custos de logística da sua loja virtual. Você pode manter uma quantidade maior de produtos estocados em galpões localizados de forma estratégica em locais mais distantes da sua produção e, ao realizar as vendas, a distância de entrega será menor. Portanto, o seu custo também reduzirá.

5. Reputação da marca

Ao trabalhar com uma empresa reconhecida pelo bom desempenho, você pode usar a credibilidade dela como segurança na sua plataforma. Além de oferecer um serviço de mais qualidade para os seus usuários, passará mais segurança aos seus visitantes por meio da reputação do seu fornecedor.

6. Melhora o atendimento ao cliente

Quanto mais bem organizados os processos logísticos, por conta do uso de galpões logísticos para o mercado de e-commerce, mais produtivas as operações se tornam e, consequentemente, uma positiva reação em cadeia é gerada, a ponto de otimizar todos os processos da empresa e melhorar até mesmo o atendimento ao cliente.

O que queremos dizer é que com um inventário bem organizado e mercadorias sempre prontas para serem entregues em tempo hábil, as equipes podem proporcionar um atendimento muito mais ágil e de qualidade ao consumidor.

7. Otimização da prestação do serviço

Não é preciso ser um especialista para saber que à medida que os processos operacionais são otimizados — graças às vantagens de um galpão para armazenamento de inventário para comércios digitais —, a empresa passa a usufruir de melhorias pontuais em cada setor que a integra, inclusive a qualidade dos serviços prestados e produtos vendidos é impactada de maneira positiva.

8. Logística estratégica

Trabalhar com multi CD, por exemplo, é uma das vantagens das quais apenas e-commerces que atuam com galpões podem usufruir. O maior benefício dessa medida é que a logística se torna muito mais estratégica quando os centros de distribuição e os espaços de armazenagem são posicionados de forma geograficamente estratégica.

Isto é, quando um usuário realiza uma compra pela internet, as chances de que o produto esteja armazenado em uma localização relativamente próxima de sua casa são muito maiores quando o e-commerce atua com o conceito de multi CD.

9. Diferencial competitivo

Por fim, um dos pontos altos de atuar com galpões logísticos no mercado de e-commerce é o fato de que a empresa pode criar diferenciais competitivos a seu favor. Uma ideia interessante é apostar no Same Day Delivery, por exemplo.

Trata-se de um modelo de entrega de mercadorias muito utilizado no setor farmacêutico, em supermercados e em lojas de conveniência, mas que tem sido implementado em outros segmentos. Esse formato se popularizou em 2012 graças à Amazon.

Como consta no próprio nome, trata-se de realizar todas as entregas da loja virtual em um único dia e isso gera vantagens tanto para a empresa quanto para o consumidor, pois é possível reduzir os valores de frete e atrair mais compradores. Ou seja, o negócio lucra muito mais e os clientes economizam. Todos saem ganhando.

Quais critérios considerar para escolher um galpão?

Agora que você já conhece os maiores benefícios do uso de galpões para o mercado de e-commerce, mostramos alguns dos principais pontos que devem ser levados em consideração na hora de escolher o galpão perfeito para as necessidades de sua loja virtual.

Dimensões e capacidade de armazenamento

Certamente, um dos primeiros pontos a serem considerados na hora de escolher um bom galpão logístico para as operações de seu comércio virtual é o tamanho do imóvel. É fundamental que ele atenda às necessidades de armazenagem de seu negócio, já que será destinado ao estoque.

Para isso, pense adiante e imagine se o galpão suportaria as operações. Meça a largura dos corredores, assim como a capacidade para instalação de prateleiras para organizar melhor os itens do inventário.

Empresa de confiança

Alugar galpões logísticos não é como realizar locações residenciais ou de imóveis corporativos comuns. Há uma série de questões importantes que exigem muita pesquisa e análise antes de fechar negócio.

Sendo assim, um dos passos mais importantes para ter sucesso nessa empreitada é procurar por uma imobiliária especializada em aluguel de galpões para armazenamento de e-commerce.

Além de ter a garantia de que você lidará com profissionais éticos e responsáveis, contar com uma empresa com credibilidade e reconhecida no mercado imobiliário é a melhor maneira de evitar surpresas desagradáveis no futuro, como problemas com a estrutura do imóvel.

Necessidades logísticas do seu e-commerce

Outro ponto indispensável é concentrar o seu foco em aspectos como a preparação de pedidos ao setor de solicitações para retirada de mercadorias de pequeno porte. Conhecemos o processo de coleta de itens como picking. Normalmente, isso é feito por meio da extração de embalagens (conjuntos empacotados) ou unidades de um centro de distribuição maior.

Além disso, quando se trata de galpões para estoque de lojas virtuais, é crucial garantir também que o packing seja otimizado, ou seja, o processo de preparação do produto antes que ele seja enviado ao consumidor.

Vale mencionar, ainda, que os processos logísticos bem estruturados são essenciais para garantir o bom funcionamento do negócio. A classificação de itens por seções ajuda a evitar perdas e desperdícios e, por consequência, reduz as chances de que o relacionamento com o cliente seja afetado.

Entendeu os benefícios de usar galpões para o mercado e-commerce? Se você ficou interessado nessas vantagens, a Só Galpões oferece, além do serviço de locação, uma consultoria na escolha da melhor opção para o seu negócio. Com 40 anos de especialidade na área, a empresa tem vários serviços relacionados a galpões.

Você já sabia da importância de ter galpões para e-commerce? Tem alguma experiência sobre o assunto que gostaria de compartilhar com a gente? Então comente aqui no post o que você acha mais importante ao escolher um para a sua loja virtual.

Por que a segurança patrimonial na indústria é importante?

A segurança patrimonial na indústria é uma questão estratégica que deve ser avaliada sempre com muita atenção. Riscos ao patrimônio e recursos humanos de uma organização podem impedir ou atrapalhar o bom andamento do negócio.

Uma empresa protegida precisa estar preparada para diversos tipos de ameaças diferentes: de furtos e incêndios até greves e espionagem. Para diminuir os riscos, é importante investir em prevenção ativa, inibição e treinamentos específicos. 

Neste post, você conhece algumas medidas que deve tomar para proteção da sua organização. Acompanhe!

Mapeando os riscos ao patrimônio

O patrimônio não se restringe aos bens materiais de uma empresa: informações e recursos humanos também são abrangidos.

Para entender melhor quais são os riscos ao negócio que podem ser mitigados pela segurança patrimonial, é preciso listar tudo que pode causar prejuízos e atrapalhar as atividades normais da organização.

Incêndios, explosões e alagamentos são incidentes que podem causar prejuízos à indústria e devem ser sempre listados em um mapa de riscos. É bom estar atento aos materiais das instalações da organização.

Dependendo do tipo de risco, equipamentos e profissionais especializados podem ser necessários: uma empresa com muitos dados sensíveis armazenados em computadores pode, por exemplo, adquirir um sistema de proteção elétrica para mitigar riscos com raios.

Outro tipo de risco comum são aqueles relacionados a atividades criminosas, como assaltos, furtos e sabotagens. Para lidar, é preciso trabalhar com prevenção, vigilância e inibição. 

Agentes especializados na portaria podem aumentar a segurança; itens de proteção perimetral como cercas elétricas e concertinas, por exemplo, inibem criminosos.

Para combater riscos como greves ou espionagem industrial, é preciso investir em segurança estratégica, também chamada de inteligência. Com investigações, análises de risco e pesquisas, é possível evitar ao máximo esses atos — ou pelo menos saber responder da melhor forma quando eles acontecerem.

Segurança patrimonial na indústria: orgânica ou terceirizada?

Quando a segurança patrimonial é feita por agentes que são contratados diretos, ela é chamada de segurança orgânica. Quando esse setor fica nas mãos de uma outra empresa, especializada em segurança e autorizada a explorar esse mercado, o nome dado é de segurança privada ou terceirizada.

Para escolher entre uma das duas opções, é preciso avaliar os riscos aos quais a empresa é submetida — além do porte e da cultura organizacional.

Indústrias que estejam vulneráveis a muitos riscos físicos, como incêndios ou roubos, devem considerar terceirizar esse serviço com uma empresa de segurança privada.

Já em negócios em que a segurança de informações é fundamental para a competitividade, também pode valer a pena investir em um parceiro externo para combater a espionagem com mais eficiência.

Para empresas que tenham riscos mais simples, pode valer a pena investir em um setor de segurança orgânico — claro, desde que financeiramente seja viável.

O importante é fazer uma avaliação correta dos riscos e sempre pensa na segurança patrimonial como uma forma de se prevenir e evitar prejuízos maiores.

Agora que você descobriu mais sobre a importância da segurança patrimonial na indústria, que tal compartilhar este artigo com seus colegas nas suas redes sociais?

5 tendências na área da logística que você não pode ignorar em 2017

Muitas novidades estão surgindo no mundo empresarial e os empreendimentos precisam estar atentos a tudo que envolve o seu desenvolvimento. Nesse foco, as tendências da logística é um dos assuntos mais recorrentes e muitas pessoas já começam a pensar como podem melhorar o seu negócio pelo que vem por aí.

Sendo assim, preparamos este post para te mostrar as 5 tendências na área da logística que você não pode ignorar. Então, continue lendo!

1. Várias opções de entrega

O e-commerce vem se destacando no seu desenvolvimento e o consumidor está acompanhando isso. Atualmente, ele não almeja apenas adquirir a mercadoria que comprou pela internet dentro do prazo, mas sim, deseja outras opções de entrega, prazos reduzidos, mesmo que tenha que pagar mais por isso.

Dessa forma, quem disponibiliza métodos de entrega com prazos curtos acaba se destacando e caindo na graça dos consumidores.

Outra opção que ainda não é muito utilizada são os lockers em locais públicos para você retirar a sua mercadoria. Esse método também pode ser usado em estabelecimentos que optam pelo conceito de omnichannel, no qual o cliente retira o produto comprado online em uma loja física.

Porém, uma prática que vem se tornando realidade e uma forte tendência da logística é oferecer condições de frete conforme os perfis diferentes dos clientes. Para isso, podemos dar o exemplo do uso de fretes gratuitos com prazos longos na entrega e o frete expresso para os que têm fidelidade com a empresa.

2. Verticalização

Não é exatamente uma tendência, mas será fundamental em 2017 o uso de armazéns cada vez mais eficientes na logística. Com o melhor aproveitamento dos espaços é possível, por exemplo, reduzir a área locada, gerando economia para a empresa. A verticalização dos armazéns, juntamente com o aumento da automação e utilização de empilhadeiras padem contribuir para a a eficiência.

Isso permite que as equipes fiquem menores e aumentam a precisão das rotinas das conferências e separação de mercadorias. No entanto, tenha cautela. Estude a realidade de sua empresa antes de realizar mudanças e contrate uma consultoria para avaliar a viabilidade do seu investimento.

3. Internet das coisas

A solidificação definitiva dos processos da internet das coisas vai demandar ainda algum tempo, mas já teve início. O setor da logística talvez será um dos mais afetados devido ao grande número de informações e facilidades oferecidas. Isso porque ela melhorará a velocidade das operações.

Dessa forma, ocorrerá uma ligação direta entre todos os pontos da cadeia de suprimentos, começando pelo fornecimento de matéria-prima até quem consumirá os produtos. Isso implica que, no caso de haver algum aumento considerável no uso de determinado produto, imediatamente a lógica de fornecimento de matéria-prima para fabricação de mais mercadorias também muda.

Com o melhoramento, os clientes se tornarão cada vez mais exigentes e os prazos de entrega deverão ser mais eficientes. Porém, para que todo esse processo seja possível, tudo deverá estar conectado de alguma maneira: maquinário, caminhões, pessoas, entre outros.

4. Realidade aumentada

Uma forte tendência para 2017 é a realidade aumentada. Provavelmente, ela estará presente no gerenciamento dos armazéns. Assim, utilizando lentes inteligentes, é possível acessar informações que localizam produtos, faz a leitura de códigos de barra, conferências, enviam comandos, entre outros.

Essa tecnologia proporciona eficiência uma vez que permite precisão e agilidade aos processos, além de ser mais cômodo para quem opera. Essa tendência é importante, já que lança luz sobre a necessidade de criação de novos métodos para conferências.

Talvez demore um pouco para que as empreses se adequem a isso e adquiram os óculos inteligentes, contudo, utilizar esses meios digitais para realizar os processos diários é uma necessidade logística.

5. Operações compartilhadas

As empresas que aderirem à produção compartilhada ganharão mais força. Isso quer dizer, as organizações que possuem capacidade ociosa de ferramentas e aquelas que têm demanda de produção, mas não conseguem atender ao seu público com o que têm, podem atuar de forma conjunta.

Nesse sentido, os empreendimentos necessitam desenvolver ainda mais suas habilidades de selecionar os melhores parceiros. Dessa forma, a produção melhorará e os custos finais serão reduzidos.

Sua empresa está preparada para as tendências da logística? Então assine a nossa newsletter e fique por dentro deste e de outros assuntos!

4 dicas para aumentar a segurança no galpão industrial

A segurança é algo primordial para que um empresário possa obter bons resultados em sua gestão. Além de dar tranquilidade aos seus colaboradores para exercerem suas funções com assertividade e qualidade, ela assegura a integridade de um ambiente de trabalho.

As perdas causadas pela sua ausência vão além de valores financeiros. Certos prejuízos sociais e psicológicos podem causar estragos irreparáveis.

Portanto, a segurança no galpão deve receber toda atenção e cuidado possível de um gestor empresarial.

Continue a leitura deste post e descubra quatro dicas para aumentar a segurança em seu galpão.

1. Considere ter um sistema de segurança eletrônica

Pode parecer uma dica básica e simples, mas ter um sistema de segurança eletrônica faz diferença no dia a dia de uma empresa.

É muito importante ter certeza em relação ao que deve ser protegido e quais são as melhores maneiras de ser avisado caso algo de errado aconteça.

Com essa medida, é possível monitorar a movimentação de colaboradores, clientes e fornecedores em seu negócio. Além disso, em períodos noturnos, ainda é possível garantir a segurança das suas mercadorias.

Quando esse sistema é instalado de maneira incorreta, a segurança no galpão é prejudicada, fazendo com que todos os benefícios de sua utilização sejam perdidos. Por isso, tenha um sistema adequado às necessidades do seu galpão.

2. Trabalhe com segurança privada

A segurança privada pode ser a resposta que muitos empresários procuram para combater assaltos e furtos em seus empreendimentos, principalmente os que trabalham com mercadorias valiosas.

Com ela é possível trabalhar com profissionais preparados e capacitados para agir corretamente em situações de perigo e risco. Porém, antes de contratar qualquer parceiro, verifique se a empresa é autorizada pela Polícia Federal.

Lembre-se também de discutir com todos os envolvidos as prioridades em seu planejamento de segurança.

3. Armazene as mercadorias adequadamente

Os produtos de um galpão são parte fundamental do seu funcionamento. Sem eles, os clientes ficam prejudicados e todos os seus investimentos podem ser perdidos.

Dessa forma, um profissional competente armazena as mercadorias em locais corretos sem que haja exposição ao que possa prejudicar a sua qualidade e integridade.

Encontre a melhor maneira para organizá-las, seja por tipo, seja pela origem ou cliente. Além do mais, acompanhe o seu fluxo de estoque e não seja pego de surpresa ao descobrir que alguma mercadoria ou insumo acabou.

4. Não esqueça da segurança no trabalho

Quando falamos de segurança no galpão, alguns empreendedores não se lembram da prevenção de acidentes em seu ambiente profissional.

A segurança no trabalho é um tema amplamente discutido hoje em dia e está diretamente ligada à produtividade de uma empresa.

Por isso, preste atenção às dicas sobre esse assunto que separamos para você:

  • utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) e e de proteção coletivas (EPCs) adequados para cada uma das atividades existentes em sua gestão;

  • dialogue com os seus funcionários para tirar dúvidas e transmitir informações importantes, a fim de manter o correto funcionamento da estrutura de um galpão;

  • respeite as normas regulamentadoras;

  • mantenha o ambiente de trabalho limpo e organizado.

O conceito de segurança é muito amplo e deve ser bem compreendido por um empresário que quer sair na frente dos seus concorrentes.

Seja para proteger seus colaboradores de acidentes, seja para manter a salvo os seus bens e o local de trabalho, a segurança no galpão deve ser sempre levada em consideração.

Entre em contato com a nossa empresa e encontre as soluções que você procura para o seu galpão!

Conheça 3 tecnologias sustentáveis voltadas para imóveis industriais

O tema da sustentabilidade está diretamente conectado à indústria, por ser este o setor que mais consome recursos naturais e gera resíduos. Justamente por isso, novas tecnologias têm sido desenvolvidas com a finalidade de diminuir os seus impactos no ambiente e melhorar a sua produtividade.

Pensando nisso, neste artigo vamos falar de 3 tecnologias sustentáveis voltadas para imóveis industriais que podem ser adotadas imediatamente pelo seu negócio. Acompanhe e confira quais são elas!

A necessidade de uma gestão eficiente de tecnologias sustentáveis

Antes de tudo, é preciso entender que não basta optar por essa ou aquela tecnologia e usá-la na indústria. Há muitas tecnologias consideradas sustentáveis, mas ainda é preciso saber o que fazer com elas em benefício próprio e da natureza. De que adiantaria, por exemplo, instalar um sistema fotovoltaico e continuar priorizando a energia elétrica?

É preciso, acima de tudo, considerar que a tecnologia sustentável deve ser funcional, e que o gestor precisa definir uma política de uso eficiente. Só assim todos poderão perceber o quanto essa tecnologia pode ajudar na expansão do negócio sem causar danos à natureza.

3 tecnologias sustentáveis

Basicamente, sustentabilidade é o consumo consciente de recursos naturais, de forma que eles não sejam esgotados e que futuras gerações também possam utilizá-los. Assim, as tecnologias sustentáveis são todos os tipos de ferramentas capazes de promover a sustentabilidade.

Elas podem ser eletrônicas, mecânicas e até manuais. O importante é que devem minimizar o consumo de recursos não renováveis e resíduos produzidos. Entre essas tecnologias, podemos citar:

  • energia solar fotovoltaica;
  • uso de materiais reciclados;
  • captação e reutilização da água.

Vejamos, então, como cada uma dessas tecnologias funciona para imóveis industriais.

1. Energia solar

O uso da energia solar por meio de células fotovoltaicas torna a indústria menos dependente da concessionária, reduzindo o custo com energia elétrica.

Trata-se de uma energia limpa e abundante, que não provoca impactos ambientais e não emite gases poluentes. Além disso, uma usina solar fotovoltaica pode ser instalada em espaços subutilizados como, telhados de imóveis industriais, por exemplo.

Segundo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), se metade da área dos telhados de galpões e armazéns ocupados no Brasil fosse utilizada para a geração de energia elétrica fotovoltaica, a potência instalada seria suficiente para suprir a demanda energética de, aproximadamente, 500 mil residências ou dois milhões de brasileiros.

O sol também pode ser utilizado para o aquecimento de água e até em fornos, além de também ser uma excelente fonte de iluminação natural. Por isso, invista em construções projetadas para o aproveitamento dessa luminosidade!

2. Materiais reciclados

O uso de materiais reciclados promove dupla economia: são mais baratos e geram incentivos tributários às indústrias que os utilizarem.

Projeto de Lei do Senado nº 385, de 2012, confere crédito presumido de IPI nas operações com produtos que usem materiais reciclados e reduz a zero as alíquotas do PIS/COFINS sobre a receita de venda desses materiais. Bons exemplos são os tijolos PET e blocos Isopet.

Como o próprio nome indica, esses tijolos são compostos de garrafas PET, que diminuem a quantidade de cimento necessário. Já os blocos Isopet são fabricados com areia, cimento e isopor reciclado, além de garrafas PET. Eles permitem a construção de paredes sem a necessidade de argamassa.

O vidro moído pode ser utilizado para substituir parte do cimento Portland, diminuindo o custo de produção do concreto. Peças fabricadas por impressoras 3D também podem ser preenchidas com material reciclado, reduzindo os custos e aumentando em até 70% a rapidez da obra.

3. Captação e reutilização da água

Sistemas de captação da água da chuva podem ser implantados a baixo custo. Essa água pode ser utilizada em sanitários, para lavagem de materiais e áreas livres ou para regar jardins. Dependendo dos requisitos de qualidade, ainda pode ser usada para o resfriamento de peças.

Já a água de reúso passa por um processo de filtragem e tratamento. Chamada também de água cinza, não é potável, ela ainda serve para as mesmas utilizações da água da chuva.

Vale ressaltar, ainda, que não só as tecnologias que ajudam na sustentabilidade. Como vimos no início do artigo, uma boa gestão e organização reduzem o tempo de produção e ajudam a evitar desperdícios. Portanto, ter um bom planejamento é fundamental.

A Indústria Verde

O conceito da Indústria Verde representa a produção e a gestão sustentável, dando prioridade às causas que envolvem o meio ambiente. Ela aplica práticas que, além de reduzir os impactos negativos sobre o meio ambiente, conseguem chamar a atenção de consumidores, fornecedores e investidores, ampliando suas chances de crescimento e de projeção social.

Para ser “verde”, a empresa deve seguir um sistema de gestão ambiental. Essa gestão engloba diversos aspectos sustentáveis — desde a origem, os métodos de extração e os procedimentos de produção da matéria-prima até o controle do destino dos resíduos da indústria, envolvendo logística, manuseio dos produtos e outras coisas.

Surgem, nesse sentido, conceitos como “TI Verde”, “carros verdes” (movidos a combustíveis especiais) etc.

A empresa “verde” tem a obrigação de se preocupar com o meio ambiente, aplicando soluções sustentáveis tanto dentro quanto no exterior da fábrica. Assim, deve se interessar pela qualidade de vida de sua equipe e da sociedade na qual se insere.

Principais vantagens em usar tecnologia sustentáveis

Uma companhia pode usufruir muitos benefícios ao optar pela utilização de tecnologias sustentáveis. Dentre eles:

  • oportunidade de novos negócios (produtos e serviços voltados para a redução de emissão de poluentes, aproveitamento de resíduos, sistema de geração de energia e outras coisas);
  • maior competitividade;
  • maior produtividade;
  • valor agregado à marca (aumento da credibilidade da marca);
  • resiliência, ou redução de riscos (a empresa não se expõe a possíveis infrações e penalidades definidas na legislação).

Alguns casos de sucesso

Muitas empresas brasileiras que aplicaram o conceito de Indústria Verde e tecnologias sustentáveis conseguiram sucesso, destacando-se mesmo em um cenário concorrido e economicamente incerto.

Uma das primeiras indústrias do país que receberam a certificação de Indústria Verde foi a movelaria Florense, em 2001. A fábrica foi submetida a muitas auditorias, as quais efetivamente confirmaram o sincero engajamento da indústria com a preservação do meio ambiente.

Móveis Rimo é outra movelaria que conquistou o certificado. Sua principal característica é a conscientização da equipe sobre a importância de adotar práticas sustentáveis. Ela conta até com uma equipe de responsabilidade social que promove ações socioambientais na empresa e na comunidade.

Já a Unilever (multinacional britânica) se destaca quando o assunto é TI Verde. Há mais de 10 anos, ela aplica tecnologias sustentáveis, conseguindo diminuir em até 60% a quantidade de máquinas de impressão.

A Unilever também atua no Brasil, trabalhando com alimentos, bebidas, materiais de limpeza e produtos de higiene pessoal. Mas há ainda o caso do Banco Real, um dos pioneiros na utilização de TI Verde. Substituindo computadores, ele diminuiu a conta de energia em 62% (economia de US$ 335 mil em 4 anos).

A Ypê é uma empresa sustentável totalmente nacional, que fabrica produtos de limpeza. Sua matéria-prima mais importante é a água, logo, desde que construiu seu galpão em 1950, a empresa capta água da chuva para usar em seu ciclo de produção. Atualmente, a Ypê desenvolve o Florestas Ypê, projeto responsável pelo cultivo de 600 mil mudas de árvores representantes da Mata Atlântica.

Enfim, gostou do texto sobre tecnologias sustentáveis? Então aproveite e descubra ctambém omo escolher o melhor espaço para a sua empresa!

Custos diretos e indiretos e seus impactos em uma empresa

Manter uma empresa em funcionamento no Brasil não é tarefa fácil. O empresário precisa arcar, diariamente, com inúmeros custos para que o negócio siga funcionando. Existem os custos diretos que, geralmente, são explícitos. Mas também há os custos indiretos, que podem causar problemas se não forem considerados no balanço final.

Diferenciar esses custos faz parte dos princípios da contabilidade e é fundamental para a saúde financeira da sua empresa. Tudo o que se gasta para produzir deve ser incluído no preço final do produto. Caso contrário, você corre o risco de trabalhar com valores irreais, dificultando o avanço da sua organização no mercado.

Em um momento de crise financeira, no qual todos os empresários vêm buscando formas de maximizar seus lucros, você não pode se dar ao luxo de perder dinheiro por puro desconhecimento a respeito das suas finanças.

Vamos, portanto, entender melhor os conceitos de custos diretos e indiretos:

Custos diretos

Os custos diretos são aqueles que estão diretamente ligados à produção da sua empresa, seja na fabricação de produtos, seja na prestação de serviço. Em geral, são custos explícitos, fáceis de mensurar e que estão incluídos no preço do produto ou serviço.

Esses valores são referentes a materiais como embalagens, matéria prima, componentes, mão de obra direta e tudo aquilo que é aplicado para que o produto final chegue às mãos do cliente.

Justamente por isso, os custos diretos não costumam apresentar problemas na contabilidade final, já que o empresário precisa conhecer todos os valores envolvidos na sua produção. Caso contrário, ele poderá enfrentar sérios problemas.

Custos indiretos

Os custos indiretos costumam ser os grandes vilões da contabilidade empresarial. Isso acontece devido ao fato de estarem relacionados indiretamente à produção ou prestação do serviço. Como não cultivam relação direta, muitas vezes são esquecidos e desconsiderados na hora de definir o preço final, o que afeta muito o resultado financeiro da empresa.

Veja, abaixo, três exemplos distintos de custos indiretos:

  • Mão de obra indireta: está relacionada ao trabalho em departamentos auxiliares, que não colocam “a mão na massa” para fabricar o produto ou prestar o serviço. Áreas como Recursos Humanos, Controle de Qualidade, Contabilidade, entre outras;

  • Materiais indiretos: são aqueles empregados nas atividades auxiliares de produção. Se você tem uma indústria, por exemplo, pode considerar como materiais indiretos as graxas e lubrificantes das máquinas;

  • Outros custos indiretos: dizem respeito à existência do negócio. Nessa conta entram valores gastos com manutenção do imóvel, seguros, movimentação interna de carga ou matéria-prima etc. Também podem ser consideradas perdas financeiras, como a depreciação de equipamentos.

Algumas situações podem contribuir para o aumento dos custos indiretos, afetando o resultado final da empresa. Por exemplo, a estrutura e o layout de um imóvel como um galpão, pode tornar sua logística mais complicada, atrasando a movimentação de cargas e matérias-primas, gerando perda de eficiência na produção e distribuição e o consequente aumento de custos. 

Custos diretos x Custos indiretos

Para compor o cálculo dos custos diretos e indiretos da sua produção ou prestação de serviços, você pode considerar alguns dos indicadores abaixo:

  • Unidades produzidas ou número de serviços prestados;

  • Horas-máquina utilizadas;

  • Horas de mão de obra utilizadas;

  • Valor material empregado.

Ainda assim, com toda a tecnologia disponível hoje em dia, o interessante que você busque o auxílio de um software de gestão financeira. Ele será capaz de agilizar o seu trabalho e minimizar erros na sua contabilidade.

Viu só como avaliar custos diretos e custos indiretos é fundamental para a saúde do seu negócio? Se quiser saber mais informações sobre esse e outros assuntos relacionados, assine a nossa newsletter agora mesmo! 

4 itens para observar ao avaliar a estrutura de um galpão

Escolher um armazém para a sua empresa é uma decisão muito estratégica. Existem diversos fatores que influenciam a definição do melhor espaço, mas muitas vezes, por desconhecimento, deixamos de observar alguns pontos importantes quanto à estrutura de galpão.

Caso a sua empresa precise de um local novo para armazenar, receber ou distribuir mercadorias, é necessário prestar atenção não apenas em aspectos como o tamanho e a localização, mas também no tipo de acabamento, na disponibilidade de energia, na capacidade de carga do piso, na estrutura do telhado, entre outros.

Para ajudar a sua escolha, a seguir, apresentaremos algumas dicas práticas que vão ajudar você a não ser pego de surpresa no futuro e acertar na estrutura de galpão! Continue lendo e confira.

Qual é a importância de escolher a estrutura certa para um galpão?

Se a sua empresa busca por um galpão, é porque entende que a adoção de um novo espaço é fundamental para a execução dos serviços e para o sucesso do negócio de uma maneira geral. Em outras palavras, a escolha certa é determinante para resolver antigas dificuldades da empresa e trazer novos benefícios. Confira alguns desses pontos logo abaixo.

Atender as necessidades da empresa

Com a inserção de um galpão na rotina de trabalho da sua empresa, as equipes passam a contar com um equipamento de alta qualidade e infraestrutura para atender carências pontuais e gerais do negócio.

Considerando o impacto que esse tipo de investimento traz, abre-se um leque de possibilidades para resolver necessidades antigas da instituição, por exemplo:

  • otimização dos serviços de distribuição;
  • aumento de espaço para armazenamento ou produção;
  • incremento da frota de veículos.

Implementar os procedimentos corretos para cada tipo de produto

No geral, a maior parte das empresas conta com locais para armazenar ou estocar seus produtos. Todavia, nem todos os espaços se mostram adequados para os variados tipos de produtos.

Em locais modestos ou sem estrutura adequada, os gestores acabam tendo que “se virar” para manter diferentes mercadorias conservadas.

Mas com a estrutura de galpão correta esse problema é resolvido. Isso porque as empresas especializadas projetam os espaços a fim de favorecer o armazenamento e a movimentação de cargas e a produção de mercadorias.

Assim, os produtos que precisam ser alocados separadamente ou demandam um tipo de empilhamento diferenciado, podem ser trabalhados sem nenhum tipo de dificuldade por parte dos profissionais.

1. Conheça os principais modelos desso tipo de construção

A escolha do tipo ideal do galpão pode influenciar no sucesso do seu negócio. Sendo assim, saiba mais sobre qual seria a opção mais acertada.

Galpão metálico pré-fabricado

O galpão metálico pré-fabricado oferece a estrutura perfeita para empresas que trabalham com grande estocagem e preferem uma armazenagem verticalizada. Sua principal vantagem é a montagem mais dinâmica. O metal utilizado aqui costuma ser galvanizado, deixando-o flexível e seguro ao mesmo tempo.

Galpão em arco

Os galpões em arco são excelentes para locais chuvosos ou que sofrem com diferentes fenômenos climáticos. A sua estrutura é feita em formato acústico, a fim de favorecer o escoamento da água nos telhados e diminuindo o risco de infiltrações no espaço.

Galpão de shed

A estrutura do galpão de shed é um pouco diferente das mostradas anteriormente. Sua cobertura é montada em formato de “degraus”, permitindo a criação de aberturas no alto do galpão e favorecendo a iluminação e a ventilação do local, refletindo em economia de energia por parte da empresa. Seu espaço interno também é considerável, tanto de forma transversal quanto longitudinal. Com isso, ele se torna excelente para empresas que trabalham com o armazenamento de produtos não perecíveis.

Galpão de lona duas águas

Essa é uma estrutura mais flexível, capaz de cobrir desde pequenas áreas à dezenas de metros de espaço. Por conta do seu tamanho, ele pode ser utilizado até para estacionamentos ou centros de distribuição. Além disso, um dos seus benefícios mais interessantes é a possibilidade de utilizar materiais translúcidos no telhado, favorecendo o aproveitamento da luz solar. Para garantir a estabilidade, a sua estrutura é sustentada por sistemas de tesoura, vigas ou terças.

Galpão de concreto pré-moldado

O método pré-moldado tem como principal característica a utilização de componentes padronizados. É considerado um galpão inteligente e apresenta diversos benefícios, tais como:

  • agilidade na construção;
  • economia;
  • segurança;

Além de todas as vantagens, é importante mencionar que o galpão pré moldado de concreto é um tipo de construção sustentável, que otimiza a operação e gera menos desperdício de materiais e recursos.

Vale dizer ainda que, seja qual for o modelo escolhido, o tipo de material aplicado fará toda diferença na estrutura do local. Veremos essa questão mais adiante.

2. Saiba quais são os erros mais cometidos na escolha do galpão

Neste tópico, você vai entender quais são os principais erros que muitos gestores cometem na hora de escolher um galpão para alugar.

Não checar as condições estruturais

Como vimos até aqui, a estrutura de galpão faz toda diferença para o sucesso ou fracasso das operações da empresa, tornando essencial uma análise prévia à escolha definitiva. Então, ao visitar o espaço pela primeira vez, verifique se tudo está em perfeitas condições, bem como o estado de telhados e paredes. Além disso, é importante observar:

  • se há pontos de infiltrações;
  • se existem rachaduras internas ou externas;
  • a procedência dos materiais utilizados na montagem.

Não conferir o tamanho adequado ao seu projeto

No tópico anterior, vimos como existem variados modelos de galpões. Além do tamanho e do tipo de material utilizado na construção, percebe-se que nem todos os armazéns são adequados para qualquer tipo de serviço. Por isso, é essencial que você não caia no erro: “se é um galpão, ele serve para a minha a empresa”

De fato, tanto o aluguel quanto a compra de um galpão só será eficiente se o espaço escolhido atender às necessidades do seu negócio. Armazéns de extensões tímidas jamais serão suficientes se a sua operação demandar grandes espaços, por exemplo, ou vice-versa.

Como dito: o imperativo é garantir a otimização das operações. Então, privilegie o custo-benefícioem vez do preço. Tenha em mente que os bons resultados só acontecerão se os processos forem executados corretamente.

Não verificar a localização

Um galpão deve ser pensado como uma peça estratégica, a fim de dinamizar processos como armazenamento, recebimento e distribuição. No entanto, isso dificilmente acontecerá se o local escolhido para ele apresentar dificuldades para entrada e saída de veículos.

É preciso que o escoamento da produção seja favorecido, que não existam dificuldades adicionais para a movimentação das cargas. Então, faça do novo galpão um diferencial competitivo: preze sempre por locais bem localizados estrategicamente, tanto em relação à própria região quanto em relação à empresa.

3. Avalie a estrutura do galpão

Agora que você já conheceu as diferentes estruturas e os erros mais comuns na hora de escolher um galpão, vejamos o que deve ser avaliado durante essa análise.

O tipo e a qualidade dos materiais

Como dissemos, ao avaliar a estrutura de um galpão você deverá levar em conta diversos fatores de acordo com o seu negócio. Por exemplo: qual é o tipo de piso que preciso? Um piso industrial polido, que seja bem liso e tenha boa capacidade de carga, ou um piso cimentado mais simples, ou revestido em cerâmica?

Além disso, alguns telhados são feitos de materiais que esquentam rapidamente, deixando o interior muito quente. Nesse caso, procure aqueles que contam com sistemas para aumentar o conforto térmico (ex.: lanternim, exaustores eólicos, venezianas ou as famosas “telhas sanduíches”).

Outro item importante é resistência a condições climáticas, como altas temperaturas, fortes chuvas, inundações. Inclusive, considere os possíveis pontos de infiltração para não ter surpresas na próxima chuva. Até galpões novos estão sujeitos a pequenas goteiras, preste atenção nisso!

Todos esses aspectos podem gerar dor de cabeça para quem aluga um galpão, por isso, preste atenção na estrutura e na qualidade dos materiais utilizados, e questione o seu consultor imobiliário sobre essas questões na hora de fechar o negócio.

As suas necessidades específicas

É natural querermos a melhor estrutura possível para instalar a nossa empresa, porém, nem sempre o melhor galpão será o mais adequado para o negócio. É preciso fazer uma análise objetiva do que realmente precisamos para evitar gastos desnecessários.

Por exemplo: se a sua necessidade é um galpão para armazenagem de andaimes usados e ferramentas para construção civil, que não seja utilizado para receber clientes, talvez você não precise investir em um imóvel com excelente padrão de acabamento, em ponto comercial nobre ou com uma subestação de energia de alta capacidade. Isso aumentaria o valor do aluguel sem refletir em grandes benefícios para a sua operação.

Por outro lado, se a sua empresa é uma transportadora que distribui produtos frágeis, de alto valor agregado e sensíveis à variações de temperatura, talvez seja interessante alugar um galpão em condomínio, com segurança 24 h, telhado com tratamento termoacústico e uma estrutura de primeira linha. Afinal, mesmo que o aluguel seja inicialmente mais alto, isso evitará gastos futuros e prejuízos com seu estoque.

4. Verifique outros itens importantes

Além da estrutura do galpão, não se esqueça de verificar a acessibilidade e a disponibilidade de certos serviços.

Verifique se as vias de acesso permitem a manobra de caminhões e carretas, se essa for uma necessidade. Certifique-se também de que há disponibilidade de energia suficiente para suas máquinas, e se a metragem escolhida atenderá a sua empresa em uma possível expansão. Ainda, lembre-se de que os seus funcionários e clientes ficarão satisfeitos em um espaço acessível e acolhedor!

Enfim, são mesmo vários os fatores que precisam ser avaliados na hora de escolher a estrutura de galpão, e todos eles devem ser analisados com muito cuidado. Quanto mais desenvolvido for esse trabalho prévio, maiores serão as chances de acerto.

Agora que você já conhece alguns deles, entre em contato com a SÓ GALPÕES, especialista em locação, venda, avaliação e consultoria na área, e conte conosco para ajudá-lo na escolha do local ideal para o seu negócio!

Entenda a influência do espaço na organização da empresa

Independentemente do setor que atua ou dos serviços que oferece, uma organização está sempre em busca de rentabilidade. Para isso, é necessário um bom planejamento estratégico, metas e objetivos claros, um time engajado, entre outras coisas. Tais preocupações são fundamentais para o desempenho da companhia, no entanto, para se destacar ainda mais m relação à concorrência, é necessário observar, também, como o espaço e a organização da empresa estão influenciando no seu rendimento.

O espaço físico de uma empresa está mais atrelado à otimização de tempo, de recursos materiais e experiência de marca do que você imagina. Veja a seguir algumas dicas sobre esse assunto.

Como o espaço e a organização da empresa podem torná-la mais rentável:

Otimização de tempo e recursos

Este primeiro ponto é fundamental, especialmente para empresas que possuem galpões e armazéns, seja para estocagem ou produção. Dependendo da disposição física dos setores e dos maquinários, você poderá aumentar sua produtividade, reduzindo o tempo nas linhas de montagem ou no recebimento e expedição de mercadorias, além de otimizar a necessidade de mão de obra e de equipamentos.

Otimização é sinônimo de agilidade. Um galpão que possui facilidade para entrada e saída de veículos, como caminhões e carretas, bom espaço para manobras e uma disposição interna eficiente, agiliza bastante o serviço de transporte. Não é nenhuma surpresa que espaço e logística caminham juntos, não é mesmo?

Facilidade na comunicação

Dependendo da forma como o layout está pensado, podemos evitar um deslocamento desnecessário de funcionários entre as áreas da empresa, ou mesmo a aglomeração de pessoas em um mesmo ambiente. Setores que interagem entre si devem estar em uma localização estratégica e de fácil acesso, possibilitando que as pessoas que trabalham em conjunto fiquem próximas, evitando ruídos de comunicação e facilitando a organização dos processos da organização.

Experiência de compra

Várias empresas já perceberam que a experiência dos clientes em seus espaços físicos se torna um grande diferencial competitivo, aumentando as vendas. Oferecer um ambiente agradável através da arquitetura, decoração, harmonização do layout e até através de aromas, torna os espaços estimulantes para os clientes e consumidores.

Alguns exemplos de empresas que investem muito na experiência em suas lojas são a Apple e Nespresso. Entretanto, seja em um galpão, uma loja física ou um escritório, o espaço físico sempre poderá proporcionar uma experiência diferente e agradável para seus públicos, resultando em bons negócios.

Agora que você já sabe como o espaço e a organização da empresa podem influenciar diretamente nos seus resultados, convidamos você para assinar a nossa newsletter e ficar por dentro de todas as notícias sobre gestão de empresas, consultoria em galpões e muito mais!

Como a localização da empresa interfere na sua estratégia

Administrar uma empresa nunca foi uma tarefa fácil, e um empresário / executivo precisa estar preparado para tomar decisões acertadas a fim de obter bons resultados em sua gestão. Desde qual o segmento que a empresa atenderá, até a localização da empresa devem ser decisões pensadas dentro da estratégia do negócio.

A escolha da localização de sua empresa é uma decisão estratégica extremamente importante, já que o desempenho de produção, da logística e da comercialização de produtos e serviços é diretamente impactado por isso. Dependendo de suas decisões você pode vender mais ou menos, cobrir uma maior área geográfica e ter custos reduzidos de logística.

Pensando nisso, levantamos as principais informações sobre a localização da empresa que você deve considerar na sua estratégia de negócio. Confira!

O que influencia no meu negócio?

Alguns fatores devem ser considerados quando pensamos na escolha de um local para a empresa. Eles influenciam diretamente na sua estratégia e nos resultados que o negócio pode atingir, inclusive em suas ações no longo prazo, como decisão de expansão do negócio.

Incentivos fiscais

Os incentivos fiscais são os primeiros fatores a serem considerados por muitos diretores ao escolherem a localização de suas empresas, pois aspectos tributários como taxas e impostos podem influenciar a viabilidade do negócio.

Com uma carga tributária menor, os empreendedores possuirão mais capital para, por exemplo, investir em novos equipamentos, pessoal, em marketing ou até mesmo ampliar sua sede, melhorando assim a qualidade do serviço prestado e aumentando os lucros.

Mão de obra

Toda empresa precisa de funcionários qualificados e treinados para exercer suas tarefas com eficiência em suas rotinas de trabalho.

Imagine ter que treinar ou buscar colaboradores em outras localidades para suprir sua demanda de serviço. Pensou no tempo e no dinheiro gasto em todo esse processo?

Por isso, antes de escolher a localização da empresa é necessário saber se a região escolhida oferece a quantidade e a qualidade de mão de obra que seu negócio necessita. Tal atitude é evitará o desperdício de tempo e de dinheiro. Fique atento.

Concorrentes

O posicionamento da sua empresa em relação à sua concorrência pode trazer vantagens competitivas no seu mercado consumidor. Para alguns negócios é interessante a proximidade entre concorrentes, mas para outros, é preciso atuar em um local em que sua presença seja de destaque.

Por isso, antes de decidir a localização da empresa, conheça bem seus concorrentes e sua atuação na região que pretende atuar.

Caso haja um número demasiado de empresas ou algum concorrente já consolidado, talvez seja o momento para repensar a estratégia e escolher outro local. Cabe ao empresário avaliar os riscos e as oportunidades de mercado antes de tomar qualquer atitude.

Mercado Consumidor

A conhecida frase “a propaganda é a alma do negócio” deve ser levada a sério para colher bons frutos em uma gestão empresarial.

Lembre-se que a escolha da localização da empresa influencia não apenas nas vendas, mas também na fixação e divulgação de sua marca no mercado consumidor.

Por exemplo, uma loja de equipamentos, que está bem localizada em relação ao seu público alvo, terá maior influência sobre os clientes da sua região, consolidando seu ponto comercial. E se, além disso, estiver localizada perto do galpão da distribuidora dos seus produtos, poderá conseguir fretes mais baratos e, consequentemente, uma maior margem.

Como escolher a melhor localização da empresa?

Agora que você já sabe a importância da localização da empresa na sua estratégia, listamos algumas dicas para você fazer essa escolha de forma mais assertiva no seu negócio. Confira:

Defina um objetivo

Comece sua busca por uma localização da empresa definindo um objetivo claro de local ideal para o negócio. Para isso, avalie cada ponto citado acima e alinhe cada uma deles com a estratégia da empresa. Faça uma lista das características que são essenciais para o atingimentos dos objetivos da empresa com o local. Inclua itens como:

  • Estrutura esperada (medidas, tipo de material usado, áreas de uso, etc);
  • Utilidades fornecidas (eletricidade, sistema de ar, segurança, etc);
  • A necessidade da proximidade com clientes e mão de obra;
  • A localização dos concorrentes.

Avalie todos os itens que precisam ser identificados no processo de compra e crie um check-list de itens obrigatórios e outros que são apenas desejados para começar as buscas.

Defina um orçamento

Agora que você possui uma visão clara do que espera com o estabelecimento, é importante definir qual será o orçamento para esse projeto. Considere que os custos dessa ação envolvem o processo completo, desde a busca por opções, alterações, taxas de contrato e ínicio das operações. 

Escolha entre comprar ou alugar

Antes de iniciar sua busca por opções é importante definir se o estabeleciomento será uma compra para a empresa ou um investimento de aluguel. O primeiro pensamento da empresa, em caso de grandes orçamentos, é comprar o local para ter maiores possibilidades em alterações na estrutura e conquistar mais um ativo. Entretanto, essa decisão deve ser feita com cautela e considerar o longo prazo da empresa. 

Considere qual o uso do local, ele será um ponto comercial, galpão para estoque, centro de distribuição ou ambiente administrativo? Caso a estratégia da empresa mude, a localização escolhida ainda é funcional? A região possui potencial para valorização?

Em casos de lugares para com localização estratégica que não são impactados com mudanças da estratégia da empresa, e o potencial para valoração é alto, a compra pode ser uma boa escolha.

Faça uma busca direcionada

Agora que você possui uma visão clara do que a empresa está buscando você deve usar essas características como filtros para direcionar suas buscas de opções. Avalie de forma mais profunda apenas os locais que atendem todas as necessidades do negócio e principalmente seu orçamento. Dessa forma, o processo será otimizado e os custos de busca são reduzidos.

A busca inicial pode ser feita online, em sites de estabelecimentos comuns ou segmentados para empresas. Os anúncios devem ser avaliados com cautela, muitas empresas contratam profissionais para editar fotos e criar a impressão de que o local é melhor do que o real, portanto, atente-se a detalhes, peça mais imagens e crie um ranking dos avaliados. 

Após uma busca online, é essencial fazer visitas pessoalmente nos locais. Nessa etapa, o ideal é selecionar uma lista de pelo menos 3 opções para visitas e avaliação detalhada, determine o número considerando o seu cronograma e disposição para a atividade. Inclua nesse momento pessoas que estarão envolvidas na escolha e no uso do local, além de uma equipe técnica para identificar possíveis problemas não aparentes.

Avalie a estrutura e flexibilidade do ambiente

Com uma lista reduzida de opções que se encaixam na sua lista de objetivos e orçamento, você deve fazer visitas e avaliações da estrutura do local. Vá até os locais, avalie se o espaço se encaixa no esperado, se atender as expectativas e principalmente se a estrutura é a ideal. É importante fazer uma avaliação técnica do local, avaliando a necessidade de possíveis alterações na estrutura que podem aumentar o tempo de espera para começar a usar o local e também os custos do projeto.

Em casos onde alterações, obras e melhorias são necessárias, é importante verificar se esse custo será do proprietário do local ou da sua empresa, para incluir no seu orçamento e avaliar se ainda é uma opção viável. Tente usar esses fatores na sua negociação e criar vantagens para conseguir um bom negócio.

Consulte a legislação do local

Agora que você possui uma escolha mais clara e o processo de negociação foi iniciado é importante consultar a prefeitura ou governo local para avaliar se existem exigências, taxas e legislações que a empresa deve seguir e que impactam de alguma forma no negócio. Além disso, como já apontamos, algumas regiões oferecem incentivos fiscais que reduzem os custos e aumentam as vantagens do local, portanto não se esqueça de considerar essas informações na sua decisão.

Busque ajuda se necessário

Existem empresas no mercado especializadas em aluguel ou compra de estabelecimentos para empresas, como galpões ou prédios comerciais. Elas conhecem o mercado, quais fatores avaliar na sua escolha, como negociar as melhores propostas e podem te ajudar a tornar esse processo mais assertivo. Caso você queira acelerar a escolha e aumentar as chances de optar pela melhor opção, essa é uma ótima saída para isso.

Outro benefício de usar uma empresa especializada é o acesso a completas consultorias do processo de compra ou aluguel de estabelecimentos. Elas incluem avaliações completas das melhores localizações baseadas no seu negócio e objetivos. Além disso, elas possuem acesso a locais exclusivos, devido à contratos criados, algo que pode ampliar suas boas opções.

Não esqueça de ter um cronograma

Apesar de parecer besteira, ter um cronograma definido com datas e prazos para cada etapa do processo de escolha da localização do seu estabelecimento. A organização no processo reduz os custos que erros de cumprimento de prazos, entregas de documentação ou visitas agendadas geram para o seu projeto.

E então, fez sentido analisar como localização da empresa influencia em sua estratégia e como escolher o melhor local para o seu negócio? Então assine a nossa newsletter e receba mais conteúdos de relevância para seu negócio!

 

Qual a hora certa para mudar a sede da empresa?

Quando criamos nosso negócio, decisões importantes são tomadas. No entanto, com o passar do tempo, é natural que alguns ajustes sejam necessários, entre eles mudar a sede da empresa. Mas qual o momento certo de fazer essa mudança? Quais os custos e a burocracia que envolve esse processo? E como ter certeza de que estamos escolhendo o melhor lugar para o negócio?

Neste post, você vai encontrar dicas que podem lhe ajudar nessa tomada de decisão. Continue lendo e confira!

Quais os principais fatores que impulsionam a mudança de sede da empresa?

Entre os principais fatores que motivam um empresário a mudar a sede da empresa estão falta de espaço, redução de custos, perda de produtividade com instalações inadequadas e motivos relacionados às decisões estratégicas, como a alta concorrência, o desenvolvimento de novos mercados, a imagem da empresa e a logística.

Não importa o tipo de negócio que você tenha ou o tamanho, escolher a sede de sua empresa é um dos fatores mais importantes a considerar. Por isso, a troca deve ser analisada com muita cautela. Confira a seguir alguns fatores essenciais que você deverá levar em consideração antes de bater o martelo.

O local atende à finalidade do seu negócio?

Primeiramente, pense na finalidade do seu negócio. Trata-se de uma atividade comercial? Então é importante considerar aspectos como estacionamento, fluxo de pedestres e a visibilidade do imóvel. Ou você precisa de um local que possibilite otimizar sua produção (maior espaço, melhor logística para distribuição de produtos, incentivos fiscais)? Faça uma lista dos pontos que são fundamentais para a sua operação, isso será essencial na hora de procurar o endereço ideal

Acessibilidade e Segurança

É importante considerar a acessibilidade para chegar ao local. Você possui muitos funcionários? Como será para eles essa mudança de endereço? Para os seus clientes e fornecedores a nova sede será mais acessível? Não deixe de se certificar como é o transporte até lá.

Questione-se também sobre a segurança da região. Você tem cargas valiosas? Costuma ficar até o período da noite no trabalho? Com reuniões que se estendem até mais tarde? Ou conta com funcionários que trabalham no período noturno? E lembre-se também da segurança patrimonial quando o imóvel estiver desocupado.

Contrato de locação

Preste muita atenção no contrato de locação e consulte a prefeitura se o imóvel permite atividades comerciais ou industriais na região. Muitos acabam deixando de lado os aspectos mais burocráticos, porém, eles devem ser levantados logo no início da negociação. 

Galpões

Se o seu negócio necessita de um galpão, observe se o local atende todas as necessidades relacionadas à infraestrutura e quais serão os custos necessários para adaptá-lo. O galpão é acessível para carretas? Atende às normas exigidas pelos bombeiros, por exemplo? A instalação elétrica está em ordem? A capacidade de carga do piso e a estrutura do telhado atendem às suas necessidades? São vários fatores que devem ser levantados e questionados com o proprietário do imóvel. 

Já pensou na burocracia na hora de mudar a sede da empresa?

São vários os motivos que levam uma empresa a fazer a mudança de sua sede depois que ela já está em funcionamento. Os custos, a localização, a segurança, entre outros fatores afetam diretamente a operacionalidade da organização. Por isso, essa pode ser uma opção para manter as atividades ou ampliar os negócios.

Como proceder com a mudança

Após escolher um novo local, é preciso pensar na parte burocrática. O contrato social da empresa deve ser alterado no item específico sobre o endereço da sede.

Realizada essa alteração na parte contratual com o aval dos sócios, é necessário fazer a modificação dos dados junto à Secretaria da Receita Federal para constar as modificações de endereço no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ).

Para a nova sede, você tem que solicitar a aprovação e a alteração do alvará de funcionamento do negócio. Com todas as aprovações necessárias, ainda é preciso fazer a inclusão do novo endereço nas inscrições estaduais e municipais.

É importante não deixar de realizar as alterações na documentação da empresa, pois isso pode incorrer em penalidades legais graves.

Os custos extras

Toda mudança gera custos extras! É necessário colocar na ponta do lápis as taxas e impostos que deverão ser pagas para a nova sede. Confira alguns desses custos:

  • taxas para alteração do contrato social e CNPJ;
  • taxas para fiscalização, inspeção de localização e funcionamento da nova sede;
  • inspeção e funcionamento do local pela vigilância sanitária;
  • análise de viabilidade de funcionamento por parte da prefeitura do município;
  • gastos com a documentação.

Esses valores devem ser contabilizados antes mesmo da tomada de decisão sobre a mudança de sede, pois é preciso analisar a viabilidade desse processo.

Como fazer a escolha certa

A decisão de mudança deve estar pautada por um estudo completo sobre a viabilidade do processo. A otimização dos custos e atividades tem que ser o principal ponto para a decisão da troca de sede. Também é ideal escolher um imóvel adequado às atividades e com a documentação regularizada, para não ocorrer problemas durante a mudança.

Cuidados para não incorrer em prejuízos

Ao buscar uma nova sede para a sua empresa é necessário estar atento a alguns detalhes que podem atrapalhar nesse processo. Para a escolha de uma nova localização, deve-se levar em consideração a acessibilidade, se a região é comercial ou residencial e se os valores com o aluguel ou a compra do imóvel são pertinentes.

Analise as necessidades de reformas ou readequação do espaço, já que elas podem incorrer em custos altos, o que não seria interessante para o negócio. Não deixe de lado a burocracia, o imóvel deve estar apto para receber as instalações do seu negócio e a documentação precisa estar regularizada para que permita o funcionamento das atividades da empresa.

Não esqueça os custos com publicidade. Não adianta investir e mudar de sede, mas não dar visibilidade para os clientes. Todos precisam saber do novo endereço da empresa!

Afinal, vai valer a pena?

Antes de tomar a sua decisão final, coloque todos os custos na ponta do lápis. Identifique os gastos em todas as etapas do processo para avaliar a viabilidade da alteração da sede.

Se diante do cenário desenhado no projeto de mudança as expectativas forem positivas e se for detectado que com a expansão as receitas serão melhores e a atividade da empresa será otimizada, é viável a mudança da sede.

Cada fator influenciará na sua decisão de mudar a sede da empresa. Por isso, pesquise o mercado, converse com as pessoas que serão mais impactadas com a mudança, como os fornecedores, clientes e funcionários. Não deixe de consultar os órgãos públicos para certificar-se de que a legislação do lugar atende às suas expectativas e, caso decida que a mudança é a melhor opção, não deixe de planejar todas as etapas desse processo, incluindo valores e prazos para alteração.

Agora que você tem mais conhecimento para decidir qual a hora certa de mudar a sede da empresa, que tal entrar em contato conosco para conhecer os nossos imóveis? Acesse a nossa página e conheça algumas opções!